REVISTA BICICLETA - Bike Tour nas Ilhas da Dalmácia Croácia
Baixe Gratuitamente a Edição Digital de Maio - Junho 2017 da Revista Bicicleta!
Pneus Kenda

O Portal
da Bicicleta

SHIMANO
Revista Bicicleta - Edição 77

Leia

Revista
Bicicleta



+bicicleta - Roteiros - Europa

Bike Tour nas Ilhas da Dalmácia Croácia

Amigos que se reúnem a cada dois anos para pedalar em lugares fantásticos. Nosso grupo, que cresce a cada dia, já realizou algumas cicloviagens para conhecer e desfrutar de paisagens, montanhas, praias, diferentes culturas e da receptividade dos habitantes. Se você gosta de pedalar, mas também curte sol e banho de mar, eis aqui o destino perfeito: Croácia!!!

Revista Bicicleta por Bike Tour Dalmácia, Rafael Batista Zortea e Andréa Pandolfo
4.676 visualizações
28/10/2015
Bike Tour nas Ilhas da Dalmácia Croácia
As pequenas distâncias acabam se tornando necessárias, pois as praias e as paisagens nos convidam para diversas paradas para fotos e banhos sensacionais nas águas cristalinas do Mar Adriático.
Foto: Bike Tour Dalmácia, Rafael Batista Zortea e Andréa Pandolfo

O bike tour deste ano acabou tendo como destino a Croácia, mais precisamente a região da Dalmácia, com suas diversas ilhas. Desta maneira, a fim de poder atingir o maior número de ilhas, tivemos de optar por uma modalidade mista: "bike and boat".

A empresa que organizou o roteiro de bike tour foi a Island Hopping (www.islandhopping.com), porém, mais uma vez quem nos auxiliou na escolha deste roteiro e nos deu todo o suporte foi a Ave Travel (www.bicycle-tours.cz). O grupo que participou desta aventura contou com seis brasileiros (Rafael, Andrea, Karine, Júlio, Carolina e Mirela) e um amigo de Dubai (Adel) que acabou comprando a ideia.

As bicicletas foram disponibilizadas pela empresa, em modelos híbridos, e eram identificadas com uma etiqueta com o nome de cada um, o que rapidamente se tornou fonte de brincadeiras por parte dos brasileiros, pois algumas ganharam apelidos divertidos! O barco, além de nos transportar entre as diversas ilhas e o continente, também apresentava a funcionalidade de hotel, pois era o local onde dormíamos e realizávamos grande parte das refeições (café da manhã, almoço e jantar).

Foram percorridos ao todo 209 km (203 km de bicicleta e 6 km de rafting) durante seis dias. O passeio ocorreu em cinco ilhas do Mar Adriático: Hvar, Vis, Korcula, Solta e Brac e percorreu os cânions do Rio Cetina, na cidade de Omis (no continente) com retorno pelo próprio rio.

Apesar de estarmos mais adaptados a bike tours, em que o grupo realiza a viagem sozinho, a adição do barco nos proporcionou uma viagem com outros 25 ciclistas vindos de diversas partes do mundo: Noruega, Nova Zelândia, Itália, Alemanha, Inglaterra, Irlanda, Estados Unidos, Emirados Árabes, Croácia e nós, os “brazucas”.

Nosso pedal ocorreu no mês de julho (auge do verão) fazendo todos pedalar em temperaturas entre 30 e 35 °C. Porém, o esforço foi recompensado com os diversos banhos nas praias de pedra croatas. Vale ressaltar que, por serem “praias” de pedra, as mesmas exigem calçados com solado para caminhar até o mar, e toalhas grossas ao invés de cangas, se o que se pretende é tomar banho de sol deitado. Esta característica contribui para tornar o mar Adriático cristalino e bem mais salgado que o Atlântico, com menor diversidade de fauna e flora marinhos.

A temperatura da água é agradável, mas não chega a ser morna como a do nordeste brasileiro, mas considerando as altas temperaturas externas, fazem uma excelente combinação para um banho revigorante. Com relação a navegação, os mapas entregues pelos guias do barco careciam de maior riqueza de detalhes, sem muitos pontos significativos de referência. Desta forma, a necessidade de se manter próximo a grupos e principalmente aos guias acabou sendo fundamental para evitar potenciais chances de se perder. Além disso, vale frisar que todo o percurso foi realizado em estradas compartilhadas com carros, merecendo, então, uma atenção maior por parte dos ciclistas.

O ponto de partida do barco foi o Porto de Trogir e a primeira parada foi na cidade de Split, a fim de conhecer a cidade histórica e o Palácio Diocleciano para depois rumarmos para a ilha Hvar, a mais badalada da Dalmácia.

O primeiro dia de pedal foi dividido em duas partes: 22 km pela manhã, parada para o almoço no barco, finalizando com mais 20 km pela tarde. Neste percurso da tarde fomos desafiados por uma única subida, que apresentava um trecho bastante íngreme, de 470 m, com 10 km percorridos. Ao chegar ao cume fomos recompensados pela bela vista da ilha e por um trecho somente de descida até o retorno ao barco.

As pequenas distâncias acabam se tornando necessárias, pois as praias e as paisagens nos convidam para diversas paradas para fotos e banhos sensacionais nas águas cristalinas do Mar Adriático. Além disso, como se tratava de um grupo de 32 ciclistas, paradas para reunir o grupo acabavam sendo indispensáveis. Vale destacar que a Croácia é um país muito montanhoso e íngreme, o que reforça ainda mais a necessidade de pequenas distâncias e diversas paradas. Para se ter uma ideia, a altimetria acumulada dos seis dias se aproximou dos 3.000 m.

Saindo de Hvar, rumamos para a ilha de Vis (ilha com localização estratégica e que era de ocupação militar, fechada para visitação até 10 anos atrás, segundo informações de nossos guias), onde cumprimos um trajeto circular de 35 km. O primeiro trecho, incluindo uma subida bem íngreme, similar a realizada no dia anterior, foi percorrido até Komiza, onde nos banhamos na praia local. O segundo trecho nos encaminhou de volta ao ponto de partida, onde estava o barco nos aguardando para o almoço. O restante do dia foi reservado para visitação e banhos de mar.

Mal sabíamos o que nos esperava, pois no terceiro dia, a ilha de Korcula nos reservou 52 km e quase 700 m de altimetria acumulada. Como se tratava de um trecho longo e que despendeu todo o dia, o percurso foi dividido em três etapas: na primeira pedalamos do ponto onde estávamos ancorados até uma praia para banho; a segunda etapa nos levou até o local de almoço em um dos vilarejos da ilha, regado a um bom vinho da região, tudo isso sentado à sombra de pergolados verdes; e na terceira e última etapa, a mais difícil do dia em função do sol e do almoço, retornamos ao barco.

Mais uma vez a incrível visão de cima dos morros e as paradas nas praias paradisíacas fizeram valer a pena cada quilômetro de esforço! Especial atenção aos campos e morros com cultivo de videiras, oliveiras e ao aroma predominante de alecrim.

Devido ao desgaste que o grupo teve no dia anterior, o quarto dia na ilha de Brac foi de manhã livre para descanso e banhos revigorantes no próprio barco. Depois do almoço, já descansados, encaramos mais 33 km pela ilha mais utilizada em propagandas da Croácia, devido a beleza de suas praias. Novamente tivemos de "escalar" subidas íngremes com nossas magrelas, mas desfrutando a vista oferecida pela estrada que margeia toda a costa da ilha. E, mais uma vez, as diversas paradas para fotos foram providenciais para um descanso e hidratação obrigatórios devido às temperaturas de verão superiores a 35 °C e ao clima seco daquela região.

O quinto dia nos brindou com novas situações, pois nos retiramos das ilhas para retornar ao continente na cidade de Omis. Neste dia, cumprimos 28 km, sendo 22 km de bicicleta e 6 km de “rafting”.

Logo que saímos da cidade e tomamos a estrada que adentra o Cânion do Rio Cetina, pudemos perceber que a beleza da Croácia não se encontra somente à beira-mar! O estreito vale cercado de montanhas foi uma sensacional “boas-vindas” para todos nós. Para completar o dia, tivemos o privilégio de remar num rio de águas tão claras que remetiam à lembrança dos rios da cidade de Bonito, aqui no Brasil!

Como bons brasileiros, resolvemos animar o passeio jogando água nos outros barcos que também desciam o rio. É claro que um alemão de um dos barcos acabou não gostando e ouvimos um “7x1”, em lembrança ao jogo da Copa do Mundo, como forma de vingança! Nesta noite, foi oferecido a todos os ciclistas um jantar especial com direito a vinho e espumante – o chamado Jantar do Capitão. Também pudemos apreciar os grupos de diferentes nacionalidades apresentando canções típicas de seus países.

No último dia de pedal, na ilha de Solta, percorremos os últimos 19 km já em ritmo de despedida. Como esta distância foi realizada ainda pela manhã, a tarde acabou sendo, mais uma vez, destinada a banhos de mar e passeios tanto na Ilha de Solta como também em Trogir, nosso porto de chegada.

Novamente em terra, restou-nos arrumar as malas e despedir-nos de todos. Felizmente, as ótimas lembranças permanecerão, servindo de motivação para mais uma experiência de passeio de bicicleta num novo lugar. Que venha o próximo biking tour! 

Curtiu esse post?

Quer receber mais conteúdo sobre bicicleta e ciclismo em sua casa? Então clique aqui conheça nossas ofertas de assinatura.

Comentários Facebook
Comentários
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Para postar seu comentário faça seu login abaixo.

E-mail
Senha

 

Cadastre-se Aqui | Esqueceu a senha?

Edições On-lineCadastre-se Esqueceu a senha?
E-mail
Senha
Revista Bicicleta 2012 © Todos os Direitos Reservados