REVISTA BICICLETA - Ela Pedala - Ele Não!
Baixe Gratuitamente a Edição Digital de Janeiro / Fevereiro 2017 da Revista Bicicleta!
Pneus Kenda

O Portal
da Bicicleta

SHIMANO
Revista Bicicleta - Edição 70

Assine

Revista Física
Revista Virtual



+bicicleta - Ideias

Ela Pedala - Ele Não!

Todos sabemos que o mundo da bicicleta é predominantemente masculino, e isso não se trata de nenhuma novidade. Por isto, fui à busca de um desafio: encontrar casais cuja mulher fosse ciclista e ele não. Busquei exaustivamente por estes casais e foi muito difícil encontrar, quase impossível.

Revista Bicicleta por Claudia Franco
46.531 visualizações
26/12/2014
Ela Pedala - Ele Não!
Foto: Dolomite-summits / Shutterstock

Mas a situação inusitada ainda estava por vir. A minha surpresa aconteceu quando ao encontrar estes casais, em que a mulher previamente havia se prontificado participar da entrevista, acabaram desistindo por um único motivo: o machismo! Em um país onde a homofobia é tratada de forma escancarada, o racismo, embora tímido, é também tratado de forma óbvia e direta, na mão contrária está o machismo que é totalmente dissimulado.

Vinte e quatro anos nos separam da Constituição de 1988, que estabeleceu a igualdade entre homens e mulheres perante a lei brasileira. Porém, ainda desfrutamos de uma igualdade apenas jurídica e não cultural e/ou conceitual, pois todo este tempo não foi suficiente para acabar com a subvalorizarão da atuação feminina na nossa sociedade.

A divisão de papéis, um legado histórico, serviu de alicerce para a dominação das mulheres pelos homens. Em nosso país a mulher casada foi considerada relativamente incapaz até 1962 e não podia sequer exercer profissão sem autorização do marido.

A nossa história é repleta de situações que colocaram a mulher como pano de fundo de uma sociedade fundamentalmente machista. Embora muitos anos tenham se passado, a nossa sociedade mantém um machismo cultural fortemente enraizado no comportamento de homens e mulheres.

Na situação que vivenciei com este trabalho, encontrei homens que por puro machismo, não toparam participar da entrevista, e suas mulheres por submissão (muito possivelmente inconsciente) me apresentaram diversas justificativas para desistirem da entrevista. Estes maridos, homens sedentários, com sobrepeso, negaram expor a condição de “inferioridade” (assim foi relatado por elas) em relação à esposa. Esposas estas que trabalham, mas que encontram tempo para se cuidar, para praticar esporte, pois conhecem a importância da atividade física para a sua saúde e para a longevidade.

Estas mulheres relataram que o marido sentiu-se inferiorizado e afrontado com o convite para a entrevista. Além de não quererem participar, também impediram a esposa. Todas estas mulheres pedalam, e só não praticam o esporte com mais afinco exatamente pela falta de motivação, apoio e companhia de seus esposos.

Não podemos nos acomodar no estigma de país jovem, em desenvolvimento, cultura latina e consequentemente ainda machista! O comportamento humano é um processo evolutivo, para tanto, basta querer mudar, basta querer evoluir, basta querer sair da zona de conforto, do conformismo. Mas infelizmente, por diversas razões muitos casais insistem em manter o status quo arcaico e retrógrado.

Felizmente este cenário não é um padrão, há casais que convivem em harmonia e felizes com as diferenças, sem colocá-las na balança do “quem pode mais” ou do “quem é melhor”. É nas diferenças que a relação se fortalece, tendo como base o respeito e admiração.

Este é o caso de Cintia Borges, 37 anos, doutora em engenharia de computação, professora da USP - Universidade de São Paulo, e ciclista. Cinta começou a pedalar quando criança e a bicicleta foi parte significativa de sua infância. Retomou o pedal em 2001, quando se mudou para a Califórnia para cursar o doutorado. Na época usava a bicicleta como meio de transporte. De volta a São Paulo em 2006, teve dificuldades em manter a bicicleta no cotidiano. Participou de passeios noturnos, mas a sua grande paixão é o mountain biking.

Há um ano faz treinos regulares no rolo durante três dias da semana  para manter o condicionamento físico, e mountain biking durante os finais de semana. Cintia gosta de esporte e sua paixão pelo mountain biking é mais do que evidente. No caso do seu namorado, isto não acontece. Apesar de saber pedalar, não pratica esporte e diz não gostar muito de pedalar.

O namorado de Cintia, por não gostar de praticar esporte, acaba se ausentando destas atividades da vida da namorada. No entanto, não se incomoda que ela pratique o esporte e participe de treinos e passeios com grupos de ciclistas.

Cintia confessa que o fato de seu namorado não gostar de pedalar acaba limitando em parte a sua prática de pedal. “Normalmente os passeios e treinos nas trilhas são realizados no final de semana, que é o tempo em que normalmente estamos juntos. Assim, tenho que escolher entre ficar o domingo com ele ou fazer uma trilha”, comenta Cintia.

Embora as diferenças e preferências distintas pela prática esportiva não geram estresse, Cintia comentou que tenta motivar o namorado a fazer alguma atividade e tem dúvida em como conduzir a situação quando falam sobre o assunto.

“A verdade é que fico na dúvida sobre como conduzir a situação. Às vezes falo de pedalarmos juntos na ciclofaixa, pois adoraria dividir essa paixão com ele, mas ele não tem bicicleta e por conta disto não conseguimos colocar em prática a ideia do passeio. Por outro lado, não quero pressioná-lo a fazer algo que ele não goste ou não sinta a mesma motivação ou paixão que eu”, relata Cintia.

O fato do namorado não pedalar não gera estresse ao casal, pois sempre procuram dar espaço um ao outro para fazerem o que gostam. “Ele nunca reclamou explicitamente de eu pedalar, ou demonstrou frustração. Minha frustração é não saber como organizar o meu tempo fora do trabalho para que eu possa pedalar e ter tempo livre para que façamos atividades juntos”, ressalta Cintia.

Embora pareça contraditório, Cinta comenta que o ponto negativo de seu namorado não gostar de pedalar está relacionado a ter menos tempo para ficarem juntos; por outro lado, eles têm individualmente um tempo só deles, o que acham saudável ao relacionamento.

Cintia e o namorado vão se organizando. Ambos cedem às suas individualidades de forma a manter o equilíbrio, independentemente das diferenças de gostos pela prática esportiva. O segredo desta harmonia na convivência pode estar no contexto e conceito da frase de Cintia: “Pedalar é necessário para manter minha sanidade!”.

Curtiu esse post?

Quer receber mais conteúdo sobre bicicleta e ciclismo em sua casa? Então clique aqui conheça nossas ofertas de assinatura.

Comentários Facebook
Comentários
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Para postar seu comentário faça seu login abaixo.

E-mail
Senha

 

Cadastre-se Aqui | Esqueceu a senha?

Edições On-lineCadastre-se Esqueceu a senha?
E-mail
Senha
Vídeos

 

 

Para fechar o banner, clique aqui ou tecle Esc.

Revista Bicicleta 2012 © Todos os Direitos Reservados