REVISTA BICICLETA - Grupo Gurias no Pedal
Baixe Gratuitamente a Edição Digital de Dezembro da Revista Bicicleta!
Pneus Kenda

O Portal
da Bicicleta

Desafio dos Rochas
Revista Bicicleta - Edição 69

Assine

Revista Física
Revista Virtual



+bicicleta - Grupo de Pedal

Grupo Gurias no Pedal

Exclusivamente para mulheres, este grupo de Caxias do Sul, RS, é um exemplo da força da presença feminina no pedal.

Revista Bicicleta por Anderson Ricardo Schörner
13.822 visualizações
07/03/2016
Grupo Gurias no Pedal
Foto: Paulo Pasa - Divulgação Gurias no Pedal

Ao ganhar uma bicicleta de seu noivo, em 2010, a gaúcha Rocheli Muller passou a pedalar pelas ruas de Caxias do Sul – RS. Enquanto pedalava sozinha, a personal trainer nutria o desejo de formar um grupo feminino. Em 2012, convidou algumas meninas para pedalar também. Cinco meninas compareceram para o que seria o início do grupo. A partir daí, inúmeros encontros aconteceram aos sábados, sempre com três ou quatro meninas.

O primeiro encontro contou com 5 meninas.

Para pular de cinco para 60 gurias pedalando, e mais de 550 meninas no grupo, a saída foi interagir. “Em julho de 2014”, diz Rocheli, “postei um convite em uma rede social, em todos os grupos ciclísticos de Caxias do Sul que eu conhecia, somente para mulheres que tinham interesse em pedalar com este pequeno grupo pelo interior de Caxias e região, formando então o Grupo Gurias no Pedal”. À medida que as integrantes compartilhavam fotos e relatos dos passeios, a procura de várias outras mulheres com o mesmo interesse crescia. 

É assim: um dos melhores jeitos para conquistar mais pessoas ao pedal é pelo exemplo, vivenciando e compartilhando seus benefícios. Um grupo rosa e lilás percorrendo as ruas do centro e interior de Caxias do Sul acaba por incluir e incentivar a prática esportiva de forma mais intensa e transformadora. Ainda, pedalar em grupo alimenta o entusiasmo das próprias integrantes, que dividem experiências, entram na sintonia de ajudar umas às outras, além de ser mais seguro pedalar em grupo.

Segundo Rocheli, “hoje, temos uniformes com camisetas, calções e polainas coloridas, participamos de passeios fora da cidade, fazemos encontros com festas e jantas e/ou piqueniques todos os meses, temos carteirinha do clube de vantagens do grupo que nos oferece descontos em vários estabelecimentos comerciais e, além disso, temos o prazer de conhecer pessoas ótimas, belas paisagens junto à natureza linda de nossa região e ainda praticando uma atividade que nos mantém em forma, não precisamos de mais nada para sermos felizes”.

O grupo pretende ser um marco na cidade para que outras meninas, independentemente de idade e nível de pedalada, sigam este exemplo em qualquer esporte. Elas realizam pedais em todos os níveis, desde pedais leves para iniciantes, com 15 a 25 km, até pedais mais pesados com mais de 100 km. “Basta ter uma mountain bike, equipamentos básicos de segurança, como capacete, óculos, farol e luvas, e bastante força de vontade, pois alegria e diversão é o que não falta em nossos passeios”, afirma Rocheli. Além disso, as gurias também levam as iniciantes para pedais curtos urbanos, ensinando sobre a sinalização no trânsito. Outra forma divertida de promover a bicicleta é através de pedais temáticos, com fantasias, que chama muito a atenção.

Geralmente, são duas ou três saídas por sábado, em turnos diferentes, com níveis de dificuldade diferentes. “Os pedais em nossa região são sempre regados de desafios”, diz Rocheli, “pois em Caxias do Sul e arredores há muitos morros e pedais de nível médio dificilmente tem altimetria de menos de 1.500 m. São regiões de muitos vales, onde os italianos, principais colonizadores da região, construíram suas casas no alto dos morros, diferentemente dos alemães, que na região se fixaram próximos aos rios, nas baixadas. Então, descemos e subimos o tempo todo. Há locais em que temos 15 km de subidas sem parar em estradas de chão. Aliás, sempre que vamos para o interior, nos deparamos com uma natureza sem explicação de tão linda, com belas estradas de chão com cascalhos e pedras, o que aumenta a dificuldade do pedal, mas nos deixa ainda mais fortes. Gostamos muito de trilhas também, e em nossa região temos muitas delas em mato bem fechado. Além de pedalar por nossa cidade, participamos de passeios organizados em outros locais no Rio Grande do Sul, como Gramado, Igrejinha, Garibaldi etc. Os lugares em que passamos na serra gaúcha são maravilhosos, e não é difícil nos depararmos com lindas cachoeiras, grandes rios, cânions, plantações enormes, mata fechada e campos abertos. Sempre digo que a bicicleta me levou a lugares tão lindos que eu jamais passaria se estivesse de carro. Esse contato tão próximo com a natureza que a bicicleta nos proporciona não tem explicação, só estando no local para apreciar essa beleza. Por isso, ao verem as fotos, as pessoas ficam impressionadas e querem pedalar conosco”.

No grupo, há vários exemplos de superação através da bicicleta. Mulheres que começaram a pedalar com as Gurias no Pedal por não conseguirem acompanhar o ritmo intenso dos pedais masculinos, e que agora se sentem confiantes sobre a bike. Elas adoraram descobrir um grupo só de meninas no qual pudessem participar. Outras curaram a asma pedalando. Muitas começaram com o grupo depois dos 50 anos e hoje pedalam mais do que muitas pessoas mais novas. Uma mulher de 52 anos citou que para ela, que é vovó de gêmeas, é um privilégio pedalar com as Gurias no Pedal, com meninas que têm idade para serem suas filhas. Outra citou a experiência de ter visto a mãe ter um acidente vascular cerebral e decidiu participar do grupo para que ela também não passe pela mesma situação. Há também aquelas que já pedalavam antes, há mais de 10 anos, e adoraram a notícia de ter um grupo exclusivamente feminino na cidade e nunca mais pararam de pedalar conosco. Todas olham para trás e veem os morros que conseguiram subir pedalando e ficam orgulhosas por terem conseguido.

Os benefícios que a bicicleta traz para elas são inúmeros. Desde o âmbito pessoal, com a melhora da qualidade de vida, o desenvolvimento da proatividade para realizar as atividades diárias e as amizades que são levadas para a vida toda, até o âmbito social, em que contribuem para um mundo mais sustentável e uma cidade mais humanizada. Por isso, quando elas acordam às seis horas da manhã no frio de três graus da serra gaúcha, ou realizam uma passeata em protesto ao desrespeito no trânsito, elas sabem o quanto isso vale a pena. 

Curtiu esse post?

Quer receber mais conteúdo sobre bicicleta e ciclismo em sua casa? Então clique aqui conheça nossas ofertas de assinatura.

Comentários Facebook
Comentários
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Para postar seu comentário faça seu login abaixo.

E-mail
Senha

 

Cadastre-se Aqui | Esqueceu a senha?

Edições On-lineCadastre-se Esqueceu a senha?
E-mail
Senha
Publicidade
Vídeos

 

 

Para fechar o banner, clique aqui ou tecle Esc.

Revista Bicicleta 2012 © Todos os Direitos Reservados