REVISTA BICICLETA - Manutenção da Corrente
Baixe Gratuitamente a Edição Digital de Maio - Junho 2017 da Revista Bicicleta!
Pneus Kenda

O Portal
da Bicicleta

SHIMANO
Revista Bicicleta - Edição 73

Leia

Revista
Bicicleta



+bicicleta - Oficina - Manutenção

Manutenção da Corrente

Uma abordagem sobre a importância de realizar periodicamente a manutenção da corrente da bicicleta.

Revista Bicicleta por Ronaldo Huhm
51.989 visualizações
20/01/2016
Manutenção da Corrente
Foto: Shimano Divulgação

As correntes são itens muito importantes na bicicleta, pois transmitem a força aplicada no pedivela para a roda traseira.

Há também relação direta com a segurança do ciclista, já que o rompimento repentino da corrente pode causar acidentes. Portanto, é fundamental manter sempre em dia este componente.

As correntes possuem modelos que acompanham os diferentes tipos de usos e de bicicletas. Com o acréscimo de cada vez mais pinhões ao cassete, com a finalidade de aumentar o número de combinações e possibilitar mudanças mais suaves, também há consequência na redução da espessura da corrente.

A conexão

A partir de cada fabricante, as correntes também possuem diferentes maneiras de fechamento que podem ser, por exemplo:

• Shimano, Pino Conector tipo ampola.
• Sram, Power Link (uma espécie de elo de emenda).
• Campagnolo, Ultra Link (muito semelhante ao sistema da Shimano com um pino conector).

Lembrando que dentre as marcas citadas, existem diferentes modelos para acompanhar a variedade de marchas e você deve empregar o pino ou a emenda correspondente ao número de marchas de sua corrente, além de nunca utilizar o método de fechamento de uma marca em outra.

Desgaste

Correntes sofrem desgastes e devem ser substituídas. Através de ferramenta de medição de desgaste é possível constatar o limite de uso e esse procedimento de checagem pode ser feito em boas lojas de bicicletas, onde normalmente não há custo. 

Limpeza

Para a limpeza da corrente em casa, recomendo aqueles kits compostos de polias com cerdas numa caixinha de acrílico, que geralmente já acompanham o líquido desengraxante apropriado para a tarefa.

Lubrificação

Sempre deve ser feita com lubrificante apropriado para correntes de bicicletas, pois possui características específicas para evitar o acúmulo de sujeira na relação.

Pouco óleo! Aplique apenas uma gota por elo, assim você garante a lubrificação suficiente para sua corrente.

Lubrificantes

É indicado o uso de lubrificantes específicos para bicicletas, pois já possuem fórmulas exclusivas para as exigências dos mais diversos terrenos, como trilhas e estrada, além de variações de acordo com o clima: podem ser para tempo úmido (chuva) ou tempo seco (poeira). 

O ideal é possuir ambos os tipos de lubrificantes, já que o clima pode mudar repentinamente e uma corrente lubrificada com óleo para tempo seco pode ficar sem lubrificação em uma chuva mais forte. Já a corrente lubrificada com óleo para clima úmido, se utilizada em uma superfície com poeira fina, poderá atrair e acumular esta poeira em uma espécie de pasta negra (composta de óleo, poeira e resíduos metálicos), altamente abrasiva e que eleva o desgaste prematuro do conjunto.

Evite abrir a corrente com frequência: a melhor maneira de limpar a corrente sem ter problemas de conexão é evitando a abertura frequente. Sempre que abri-la, feche-a com o pino ou emenda recomendada pelo fabricante.

Ainda falando de lubrificantes, não utilizar lubrificantes automotivos ou graxos, pois são altamente viscosos e atraem grande quantidade de sujeira para corrente. Entretanto, em casos extremos, onde a pedalada é longa e o ciclista for surpreendido por chuva forte, por exemplo, pode-se “apelar” para algum tipo de lubrificante, mesmo que seja óleo comum para motores, por exemplo! Mas lembre-se: somente em casos de emergências e essa lubrificação deve ser removida da corrente logo na primeira manutenção pós-chuva.

As transmissões de bicicletas com marchas por câmbio descarrilhador, cassete, coroas e corrente possuem uma dinâmica diferente de uma corrente para motocicletas, por exemplo. No primeiro tipo de transmissão, a corrente se move lateralmente e precisa passar por espaços limitados e o excesso de resíduos grudados na corrente poderá interferir na precisão das mudanças de marchas.

Por isso, quanto mais limpa e lubrificada, mais precisas podem ficar as mudanças de marchas.

Quanto lubrificar?

Esta é uma questão relativa, mas, de modo geral em tempo seco, deve-se lubrificar a cada 200 km para bikes de Estrada e antes de cada trilha para Mountain Bikes.

Já em tempo úmido ou chuvoso mantenha a corrente sempre lubrificada, porém, sem excessos. E então, é só manter as partes da relação em ordem e curtir as pedaladas! 

Curtiu esse post?

Quer receber mais conteúdo sobre bicicleta e ciclismo em sua casa? Então clique aqui conheça nossas ofertas de assinatura.

Comentários Facebook
Comentários
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Para postar seu comentário faça seu login abaixo.

E-mail
Senha

 

Cadastre-se Aqui | Esqueceu a senha?

Edições On-lineCadastre-se Esqueceu a senha?
E-mail
Senha
Vídeos

 

 

Para fechar o banner, clique aqui ou tecle Esc.

Revista Bicicleta 2012 © Todos os Direitos Reservados