REVISTA BICICLETA - Mulher e Bicicleta - Nem sempre foi assim...
Baixe Gratuitamente a Edição Digital de Maio - Junho 2017 da Revista Bicicleta!
Pneus Kenda

O Portal
da Bicicleta

SHIMANO
Revista Bicicleta - Edição 79

Leia

Revista
Bicicleta



+bicicleta - Ideias

Mulher e Bicicleta - Nem sempre foi assim...

“Então as mulheres serão emancipadas pelo ciclismo?” - perguntou Pierre. “Bem, porque não? Parece uma ideia tola, mas veja o progresso que já tem sido feito. Pelo uso racional mulheres libertam seus membros da prisão; então as facilidades as quais o ciclismo possibilita para que pessoas estejam juntas tendem a aumentar a relação e igualdade entre os sexos; a esposa e as crianças podem seguir o marido onde for, e gostam de como podem se sentir livres e vaguear sem incomodar ninguém. Nesse sentido, há grande vantagem para todos: uma toma banho de ar e da luz do sol, outra busca a natureza, a terra, nossa mãe em comum, de onde deriva a força e a alegria do coração. E como a brisa infla nossos pulmões! Sim, isso tudo purifica, acalma e encoraja!” - respondeu a jovem Marie. (Émile Zola, em Les Trois Villes (As Três Cidades), romance escrito entre 1893 e 1898).

Revista Bicicleta por Anderson Ricardo Schörner
5.692 visualizações
01/06/2015
Mulher e Bicicleta - Nem sempre foi assim...
Foto: Monika Gn

Em 28 de outubro de 1886, foi inaugurada a Estátua da Liberdade, em Liberty Island (Ilha da Liberdade), na entrada do porto de Nova York. Patrimônio Mundial da Unesco e um dos pontos turísticos mais visitados dos Estados Unidos, a estátua representa a liberdade do povo.

Dez anos depois, Susan Brownell Anthony declarou, em entrevista à repórter Nellie Bly, do jornal New York World's: “Isso tem feito mais para emancipar as mulheres do que qualquer outra coisa no mundo. Ela dá às mulheres um sentimento de liberdade e autoconfiança.” Susan não se referia à estátua, mas a uma outra imagem de liberdade: as mulheres andando de bicicleta. 

Susan foi professora, ativista e lutou pelos direitos feministas junto com Elizabeth Cady. Ela nasceu em Massachusetts, em 1820; foi a segunda de sete filhos de uma família Quaker, que por tradição, era abolicionista e defendia a igualdade entre homens e mulheres. Mais do que um ponto turístico, mais do que um objeto imóvel e sem vida, a bicicleta levou a mulher para grandes conquistas sociais e desemaranhados históricos.

É o caso da educação superior, onde há um aumento global do número de mulheres frequentando universidades, ultrapassando inclusive o número de homens. Mas nem sempre foi assim... No Brasil, apenas em 1827 surgiu a primeira lei permitindo a frequência de mulheres no ensino básico, e o ensino superior ainda lhes era proibido. Em 1879, quando enfim puderam ingressar nas instituições de nível superior, as mulheres brasileiras que se “atreveram” a tal avanço enfrentaram críticas e opressão. “Não é necessário que minha filha aprenda aritmética para encontrar um marido”, pensavam os pais da época. Entretanto, venceram.

Depois de formadas, as mulheres de hoje buscam afirmação no mercado de trabalho. As condições ainda não são totalmente justas e ideais, mas com certeza são melhores do que em 1887, quando Rita Lobato Velho, a primeira mulher a se formar médica no Brasil e outras pioneiras em várias áreas de atuação, por vezes foram ridicularizadas.

Na política, o mundo assistiu a ascensão de grandes mulheres assumindo cargos públicos importantíssimos e tornando-se internacionalmente influentes. Nosso exemplo maior remete à eleição da primeira presidenta mulher do Brasil, Dilma Rousseff. Mas nem sempre foi assim... Apenas em 1932 as mulheres brasileiras tiveram direito ao voto. Um pouco antes, em 1927, 15 mulheres haviam votado nas eleições do Rio Grande do Norte, graças a uma alteração pleiteada pelo então governador Juvenal Lamartine. Foi a primeira vez que as mulheres votaram no Brasil e na América Latina, mas no ano seguinte esses votos foram anulados. 

De qualquer forma, neste mesmo ano era eleita a primeira prefeita da história da América Latina: Alzira Soriano de Souza, também no Rio Grande do Norte, no município de Lajes. Em seu discurso de posse, comparou o município a uma grande família e demonstrou maturidade na questão feminina. “Determinaram os acontecimentos sociais do nosso querido Rio Grande do Norte na constante evolução da democracia, que a mulher, esta doce colaboradora do lar, se voltasse também para colaborar com outra feição na sua obra político- administrativa. As conquistas atuais, a evolução que ora se opera, abrem uma clareira no convencionalismo, fazendo ressurgir a nova faceta dos sagrados direitos da mulher. Inovação estética não pode ser, o que se observa é a consciência elegante de uma conquista.”

Observa-se que a transição dos séculos XIX e XX, marcada pela emancipação das mulheres, não seria a mesma sem um veículo que permitiu rumar ao progresso e ao nivelamento entre direitos e deveres de homens e mulheres. A bicicleta, símbolo de liberdade, saúde e bem-estar, articulou de forma ímpar a contemplação feminina dessas características. Através do seu próprio esforço, elas utilizaram a bicicleta para uma longa viagem de conquistas, ainda em curso. Ao comparar o período atual com as condições dos anos 1.800, a evolução é gritante, embora algumas culturas e sociedades ainda privem as mulheres da igualdade dos sexos, como no Irã, por exemplo, onde ainda hoje as mulheres não podem andar de bicicleta. 

A Hora de Mudar

O século XIX é marcado pelas novidades e invenções, resultantes principalmente da Revolução Industrial. Vários artigos foram aperfeiçoados e outros surgiram em decorrência dos avanços científicos, tecnológicos e das novas necessidades da sociedade em geral. 

Com a industrialização veio também a urbanização, já que houve uma migração do campo para a cidade. Mas a massa de camponeses candidatos a operários encontraram um lugar pouco receptível, que precisou ser reestruturado e revitalizado para a vida moderna. A valorização do espaço público culminou na configuração da cidade como um ponto de encontro e vivência social. Cinemas, bares, apresentações musicais e áreas livres para o lazer e o esporte passaram a integrar os centros urbanos, graças à novidade da energia elétrica e outras descobertas impulsionadas pelo século XIX.

Neste cenário histórico, a bicicleta era a moda. Os ciclistas da época introduziam novas roupas e acessórios, faziam barulho nas estradas com suas buzinas e aproveitavam melhor a velocidade e o tempo. A mulher também começava a se fazer mais presente no espaço público da cidade, fato que despertava o fascínio e a alegria de alguns, mas preocupação de outros que viam na crescente participação e exposição feminina, uma ameaça ao pudor e ao domínio masculino nas relações sociais.

A união deste invento maravilhoso - a bicicleta - com a incrível força e determinação das mulheres em mudar a sua situação culminou em um dos movimentos mais bonitos e libertários da história humana. Longe ainda das injustiças atuais, a mulher daquela época lutava pelo direito de, aos poucos, poder sair de casa.

A fragilidade feminina

Uma figura pálida, doente e dependente. Era basicamente assim que se descrevia uma mulher no século XIX. Haviam claras vantagens em manter a mulher em uma condição de fraqueza física e emocional. Aos olhos sociais da época, mulher sensata era aquela que, totalmente dependente do seu marido, não tinha forças para votar, trabalhar e estudar. 

Atrás dos vidros de suas casas e entre desmaios, injustiças e agressões, as damas quase não praticavam atividade física. Andar de bicicleta era considerado esforço demais para uma mulher. Quando as ideias e reivindicações de liberdade e igualdade começaram a ganhar força, e a presença da mulher se intensificou no espaço público, a bicicleta foi grande aliada, pois representou uma nova possibilidade de se exercitar nas cidades, justamente no momento histórico em que começava a se valorizar as atividades públicas de lazer.

Em 1894, dois clubes masculinos de Boston lançaram o desafio e Annie Kopchovsky aceitou: ela daria a volta ao mundo de bicicleta. Algo inimaginável e intolerante; uma mulher estava abandonando o lar e lançando-se ao desafio de provar que as mulheres não eram frágeis e poderiam realizar os mesmos feitos dos homens. Quinze meses depois, o New York Times noticiava a mais incrível viagem realizada por uma mulher. Annie retornava para casa e trazia consigo uma bagagem cheia de coragem e esperança que seria distribuída, indiretamente, a todas as mulheres.

Roupa de baixo

Christopher Connolly, em seu artigo para a Mental Floss, A Liberdade da Mulher Chegou de Bicicleta, destacou que as roupas femininas contribuíam para a fragilidade da mulher. “Suas vestes eram tipicamente pesadas, exagerando a silhueta feminina enquanto escondia o corpo. As curvas eram destacadas com espartilhos firmemente atados que, junto com as longas e pesadas roupas de baixo, limitavam a capacidade das mulheres de se mover e até mesmo respirar; daí a maior parte dos desmaios. Isso restringia as mulheres não apenas fisicamente, mas moralmente também. Em uma sociedade onde expor acidentalmente um tornozelo assumia ares pornográficos de uma dança, era necessário que a vestimenta protegesse a virtude de uma senhora”.

Em 1881 foi fundada a Rational Dress Society, organização de mulheres de Londres que queriam uma vestimenta feminina mais digna e confortável. “O Rational Dress Society protesta contra qualquer forma no vestido que deforme a figura, impeça os movimentos ou prejudique de qualquer outra forma a saúde da mulher. É nosso dever exigir vestimentas saudáveis, confortáveis e bonitas, que conduzam ao conforto e à beleza”, era sua autodefinição.

Em 1888, uma carta publicada pela Rational estabelecia que “o peso máximo da roupa de baixo (sem os sapatos) não poderia ser superior a 7 kg.”  Sete quilos de roupas de baixo foi um motivo de comemoração!

Apesar da retaliação, as mulheres ativistas da época, aproveitando-se do momento, se envolveram rapidamente com a bicicleta. O hábito de usar a bicicleta como meio de locomoção, lazer e, para as mais ousadas, até como esporte, foi um dos responsáveis pela eliminação do uso do espartilho, pois com ele era praticamente impossível pedalar.

Conforme se tornava mais usual ver mulheres pedalando, as vestimentas passaram a ser mais curtas, justas e leves. Era a bicicleta influenciando a moda e o estilo de vida. As saias e vestidos foram perdendo espaço para roupas que permitiam sentar, caminhar e pedalar sem enroscar na corrente. Os calções femininos que eram presos ao tornozelo começaram a ganhar as ruas.

Essas mudanças, é claro, não foram facilmente aceitas. A nova presença social das mulheres, vestidas com roupas parecidas com as dos homens, desencadearam uma série de apreensões e debates. Mas pedalar tornava-se cada vez mais comum e, em 1896, o New York Journal of Commerce estimou que os cinemas, restaurantes e outros lazeres perderam cerca de 100 milhões de dólares por ano com o novo hábito de as pessoas pedalarem. Apesar das críticas e ridicularizações, elas seguiram em frente.

Connolly ainda mencionou em seu artigo que “antes das bicicletas, o cavalo era o melhor meio de transporte. Mas o acesso das mulheres ao cavalo era muito limitado. Cavalos eram perigosos e de controle difícil. As mulheres deveriam montar de lado, com as duas pernas juntas, o que as impedia de percorrer grandes distâncias, realimentando a ideia de que não deveriam montar. Em comparação, as bicicletas eram de manipulação fácil. Não havia motivos que impedissem uma mulher de subir numa bicicleta e dignamente pedalar para onde quisesse, tão longe quanto quisesse. Nenhum motivo a não ser sua vestimenta e o dilema de sua fragilidade, que a faria perder a virtude ou até a vida, tamanha sua exaustão.”

Apesar das pedras, tijolos e da insistência para que retornassem à casa e se comportassem como mulheres, as primeiras ciclistas continuaram rodando e trazendo conquistas à tona. As mulheres espelharam na bicicleta, a saúde, vivacidade e sensação de liberdade com que tanto sonhavam.

Anatomia da mulher pedalando

As mulheres ainda tinham uma batalha para vencer e assegurar de vez a prática do ciclismo. A questão girava em torno de constatações médicas que diagnosticaram a bicicleta como causadora de infertilidade, aborto e outros problemas físicos às mulheres. Se a bicicleta prejudicasse a maternidade, estava prejudicando a função social da mulher, que era casar e procriar. “Era um período estranho, insatisfatório, cheio de aspirações ingratas. Eu sonhava em ser útil ao mundo, mas éramos garotas pobres, nascidas em uma posição social específica. Não se pensava como necessário fazer algo diferente que nos entretermos até que o momento e a oportunidade do casamento surgisse. As mulheres das classes superiores também tinham que entender que a única porta aberta para uma vida fácil e respeitável era a do casamento. Melhor qualquer casamento do que nenhum, uma velha e tola tia costumava dizer”, registrou Charlotte Despard, escritora que viveu entre 1844 e 1939, demonstrando o ideário da época.

Outro problema apontado pelos médicos girava em torno da moralidade. Além da posição de sentar na bicicleta, vista por muitos como vergonhosa e imoral para uma dama, os médicos insistiam que as jovens que andassem de bicicleta sentiriam prazer pela fricção do selim em suas partes íntimas, o que incentivaria as mulheres a se tornarem depravadas e imorais. Um dos médicos defensores das bicicletas, Ludovic O'Followell, escreveu em seu livro Bicicleta e os Órgãos Genitais, que “se, por azar, um passeio de bicicleta revela à ciclista uma nova satisfação genital, não é necessário concluir que a bicicleta cria depravadas. Em investigação conduzida por nós com o propósito deste trabalho, foram negativas todas as respostas à pergunta: sentem algum prazer de ordem íntima quando pedalam?”

Mas essas novas mulheres estavam se identificando tanto com a expansão da bicicleta e com a sua oportunidade histórica, que resolveram enfrentar todas essas contrariedades. Atos de verdadeira libertação sobre duas rodas não cessavam em todo o mundo, principalmente Estados Unidos e Europa, e já era impossível separar a bicicleta do movimento reivindicatório das mulheres.

Presente e futuro

“Vejo cada vez mais mulheres fazendo uso da bicicleta, seja para lazer, transporte ou como atividade física. Esta tendência deve evoluir com o crescimento das ciclofaixas e ciclovias que estão aumentando a cada dia. A cultura da bicicleta existe da mesma forma para mulheres e homens, e essa evolução é contínua. O futuro promete muitas vendas e lojas lotadas de novidades para as mulheres que pedalam ou que desejam começar a pedalar”, relatou Nildo Guedes, ciclista com 20 anos de experiência que atua na equipe da Shimano Latin América.

Nildo revela também que as mulheres trazem as suas peculiaridades, como o cuidado com a estética e saúde, para o ciclismo. “Homem compra somente o que precisa e quando precisa, já a mulher é diferente, ela compra uma bermuda, aproveita e leva uma camisa e uma meia para combinar. Por isso, os produtos femininos são sempre voltados às combinações perfeitas. A cada produto masculino lançado, uma versão feminina também é preparada”.

O mercado comemora e vê com bons olhos esse nicho, que ainda promete crescer muito nos próximos anos. A busca das mulheres ainda é mais voltada para o lazer e exercício físico e, portanto, linhas para atletas e acessórios para o uso da bicicleta como meio de transporte ainda são menos explorados. As mulheres procuram ser mais cautelosas e procuram agir com mais segurança. Essa precaução limita o uso da bicicleta a situações que não envolvam muitos riscos.

Mas percebe-se, também nessa questão, uma mudança de postura das mulheres. Ainda que timidamente, elas estão buscando correr mais riscos e essa mudança se reflete na configuração familiar, no trabalho e nas competições. “Mesmo com todo o preconceito e com todo o assédio que as mulheres sofrem diariamente nas ruas, acredito que a força feminina tende a se impor cada vez mais. Em competições, temos nomes fortes como Liz Hatch e Rochelle Gilmore. Vários pontos pesaram para que as mulheres escolhessem outro veículo que não fosse a bike: ‘medo’ de adentrar espaços tidos como ‘masculinos’, receio do assédio nas ruas que, independentemente do meio de transporte, acontece sempre, falta de segurança no trânsito, falta de roupas confortáveis para o pedal, o medo de quedas e a impaciência por parte dos motoristas - buzinadas, xingamentos, arrancadas, etc. Percebo que as mulheres estão cansadas de terem um lugarzinho determinado pela sociedade e estão, enfim, colocando a cara na rua e lutando por tudo que acham importante e relevante para o mundo”, constatou Andréia Pires de Carvalho, 23 anos, professora e que usa a bicicleta como meio de transporte, demonstrando que a luta pela liberdade ainda continua.

“Comecei a pedalar em 2005 e lembro que havia muito mais homens no pedal do que mulheres. Não porque elas eram frágeis, mas por acharem que isso é coisa de homem e de moleque. As pessoas têm uma visão muito errada do ciclismo e, claro, isso vem também das mulheres; acho até que mais delas do que deles. A mulher, mesmo no século XXI, foi feita para casar e ter família. Fazer tudo isso e ainda pedalar parece coisa anormal, tanto que a maioria das mulheres que vejo no pedal é solteira ou separada, e uma pequena parte pedala para fazer companhia ao marido ou parceiro. Trabalhar fora, ter uma carreira, filhos, marido e ainda conciliar o ciclismo não é nada fácil, ainda mais sabendo que nesse meio tem mais homens que mulheres pedalando”, declarou Tânia Cristina Carmonario, 37 anos, professora que utiliza a bicicleta como meio de transporte e para exercícios físicos.

Nildo também vê como promissor o mercado de alta performance para o público feminino. “Muitas mulheres que iniciam sua busca por saúde optam inicialmente por aquela pedalada casual com o namorado ou sozinhas, porém é nítido o aumento do público feminino em provas de ciclismo, triathlon e MTB. As mulheres são muito competitivas”, completa.

A presença de mulheres em grupos de pedal - alguns exclusivamente femininos - tem aumentado nos últimos anos, apesar dos obstáculos que ainda enfrentam nas machistas ruas de nossas cidades. Aos poucos, elas se aventuram nas competições e provas que exigem muito preparo físico e inteligência emocional. Aos poucos, também, os organizadores das provas tomam medidas para fortalecer a presença feminina. Um exemplo é o Desafio Santana - Arapiraca, que este ano, em sua 7ª edição, terá uma competição exclusivamente feminina. A disputa será em 06 de novembro, em um percurso de 100 km. Uma das maiores ciclistas da atualidade, Renata Rodrigues já confirmou presença no desafio. Em 2010, a atleta conquistou o Rally Piocerá, o Moda Cup e o solo do Super 12 horas do Nordeste. Incentivada pelo esposo, também ciclista, Ivanildo, Renata fala sobre a importância de atitudes como esta para alavancar a participação das mulheres. “Meu marido já participou do desafio e elogiou demais a organização. Desde então, tive certeza que chegaria a minha oportunidade e essa é uma boa hora. É legal o desafio ter uma competição só para mulher. As mulheres estão conseguindo seu espaço na sociedade de um modo geral. O que ainda falta são pessoas para nos dar oportunidade de mostrar nossos valores. O desafio é um exemplo disso, quando nos presenteia com essa competição, que quebra barreiras”. 

Liberdade é palavra fácil de associar com a bicicleta e por isso ela continua até hoje fazendo parte de movimentos revolucionários. Há quem lute pela sustentabilidade, pela simplicidade, por cidades mais humanas, por economias mais justas. Não são motivos supérfluos ou condições passageiras... São causas libertatórias no sentido mais profundo da palavra. É fácil entender, portanto, porque as mulheres que lutaram pelo feminismo logo se envolveram com a bicicleta, e que este envolvimento ainda provoca constantemente mudanças de costumes por parte da sociedade, e de valores em relação à fragilidade, elegância e delicadeza das mulheres.

Aline Cavalcante, 25 anos, jornalista que utiliza a bike como meio de transporte, define como a bicicleta é instrumento de independência, cidadania e saúde. “A bicicleta é um poderoso instrumento de transformação e inserção social, pois com ela é possível retomar o espaço público, conhecer melhor o lugar onde vive, entender os problemas e participar das soluções. Pedalar, seja por esporte, lazer ou transporte, é um exercício físico que libera endorfina e deixa a pessoa mais ligada, disposta, criativa e antenada com o mundo. Isso eu chamaria de liberdade mental: a capacidade de retomar a cidadania e a consciência de sociedade! Para as mulheres, em especial, a bicicleta traz a força e a autonomia que lutamos durante tanto tempo para conquistar. Percorrer distâncias usando suas próprias pernas é bonito, poético e libertador, capaz de aumentar a autoestima, melhorar o relacionamento inter-pessoal e a saúde das mulheres. Hoje, sou mais independente e me sinto cidadã, participante ativa e protagonista da minha história.”

Erasmo Carlos cantaria: “Dizem que a mulher é o sexo frágil. Mas que mentira absurda! Eu que faço parte da rotina de uma delas, sei que a força está com elas... Vejam como é forte a que eu conheço. Sua sapiência não tem preço, satisfaz meu ego se fingindo submissa, mas no fundo me enfeitiça. Quando eu chego em casa à noitinha, quero uma mulher só minha, mas pra quem deu luz, não tem mais jeito, porque um filho quer seu peito, o outro já reclama a sua mão, e o outro quer o amor que ela tiver. Quatro homens dependentes e carentes da força da mulher!” E elas responderiam: “Por que não um quinto elemento: a bicicleta?”

Curtiu esse post?

Quer receber mais conteúdo sobre bicicleta e ciclismo em sua casa? Então clique aqui conheça nossas ofertas de assinatura.

Comentários Facebook
Comentários
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Para postar seu comentário faça seu login abaixo.

E-mail
Senha

 

Cadastre-se Aqui | Esqueceu a senha?

Edições On-lineCadastre-se Esqueceu a senha?
E-mail
Senha
Revista Bicicleta 2012 © Todos os Direitos Reservados