REVISTA BICICLETA - O AMOR a prova de MOTOR
Baixe Gratuitamente a Edição Digital de Maio - Junho 2017 da Revista Bicicleta!
Pneus Kenda

O Portal
da Bicicleta

SHIMANO
Revista Bicicleta - Edição 78

Leia

Revista
Bicicleta



+bicicleta - Ideias - Crítica

O AMOR a prova de MOTOR

Revista Bicicleta por André Geraldo Soares
34.167 visualizações
08/04/2014
O AMOR a prova  de MOTOR
Foto: Shiningcolors

O amor, sentimento primevo, explica a vida mesmo daquele que diz que não o conhece. Desde os brucutus das cavernas até os pós-doutores da cátedra, o amor é um dos fios condutores da vida de cada um e do mundo da cultura onde ela transcorre. Nossa vida, no que ela depende de nós próprios, não é decidida apenas por escolhas racionais, mas por um fluxo contínuo e mesclado de sentimentos, raciocínios e imaginação. Do mesmo modo, a política, a economia e outros sistemas regulatórios da sociedade, longe de serem desenhados por sábias e ponderadas decisões, são impulsionados por paixões das mais diversas.

O amor é uma emanação, todos sabemos, nem sempre consciente, nem sempre transparente e que nem sempre produz resultados tão ternos quanto ele próprio. Basta lembrarmos que, assim como o ódio, dirige pessoas e povos a atrocidades: depositários de amor são mortos pelos seus adoradores, em amor à própria pátria se dizimam milhões no país vizinho.

Por isso, não é regra dos amantes importarem-se com os efeitos colaterais da sua disposição emocional. Exemplificando, quem se declara, quem exalta, quem concorda com a máxima de que “brasileiro é apaixonado por carro” não se condói com as consequências sociais e ambientais da generalização dessa afeição. A atmosfera urbana é sufocante, atravessar uma rua é uma roleta russa e o dinheiro público é sugado pelas “obras de arte de engenharia”, mas nada disso abala o relacionamento afetivo que brotou naturalmente no coração dos motoristas.

Naturalmente? Mas... Nenhum amor nasce de estímulos? Glamourosos longa-metragens, excitantes outdoors ou sensacionalistas capas de jornais seriam nada mais do que testemunhas da vontade popular de se ter um carro? Destruir – ou sequer ter construído – o transporte público não estimula ninguém a “trair” o ônibus? É difícil acreditarmos que a escolha das ferramentas motorizadas seja motivada apenas pelas suas inegáveis utilidades. Primeiro, porque em muitas circunstâncias e para diversos afazeres os demais meios de mobilidade também são iguais ou superiormente úteis; e, depois, porque torna-se um martírio usufruir dessa utilidade quando se permanece imóvel sobre o asfalto. É difícil, pois, aceitarmos que esse casamento não tenha sido celebrado sem a garrucha do sogro.

A indústria da bicicleta também sabe que “a propaganda é a alma do negócio”, por isso também não dispensa o apelo sentimental para vendê-la, certo? Em partes – em partes do tempo. Somente os mais vividos dos leitores encontrarão recordações de publicidade de bicicleta em suas memórias – são raras as campanhas atualmente. Isso se deve, é claro, ao sobe e desce do mercado ciclístico (com previsão de incremento de 2% em 2011). Mesmo assim a bicicleta ainda vende, ainda é vista nas ruas – e de forma cada vez mais diferenciada –, e podemos ver nisso uma manifestação do amor: por um lado, as pessoas gostam de andar de bicicleta; por outro lado, o difundido gosto pelos carros torna impraticável o uso destes, forçando a busca de alternativas.

Com isso podemos ser autorizados a deduzir que a paixão ciclística é muito mais original do que a paixão motorizada. A bicicleta cativa desde a tenra idade – muito mais cedo que de carro se pula para o banco do condutor – e perdura – mesmo depois de motorizadas, muitas pessoas ainda mantém o apego pelos pedais. Inveja e ciúmes, acompanhantes indesejados do amor, também são associados à bicicleta: quem não tem inveja daquele primo ou amigo que foi até a Patagônia de bicicleta ou daquela dona de casa que se esvai livremente por entre o congestionamento? Dentre os/as que não pedalam, quem não tem ciúme das tardes que o/a namorado/a passa se lambuzando pelas trilhas afora? Ah, e a dúvida “não sei se caso ou se compro uma bicicleta” simplesmente inexiste se a paixão de carne e osso também vive grudada na sua bicicleta. Tem coisa melhor do que pedalar junto com a namorada ou o marido? É desposório na certa!

O apreço pela bicicleta também permite a dedicação mais sincera a outras dimensões da nossa vida que não apenas a do transporte. Quem quiser demonstrar que seu carinho à natureza é maior do que uma estampa na camiseta pode fazê-lo pedalando; exercitar-se, no plano ou ladeiras acima, aumenta a vital autoestima; o afeto à cidade significa que estamos dispostos a compartilhar o espaço público, e não a sequestrá-lo com uma ou duas toneladas de lata. Por isso tudo, seja quem adora ser ciclista, seja quem não gostaria de sê-lo por necessidade, está no coração de quem idoneamente ama o mundo que vale se amado.

Curtiu esse post?

Quer receber mais conteúdo sobre bicicleta e ciclismo em sua casa? Então clique aqui conheça nossas ofertas de assinatura.

Comentários Facebook
Comentários
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Para postar seu comentário faça seu login abaixo.

E-mail
Senha

 

Cadastre-se Aqui | Esqueceu a senha?

Edições On-lineCadastre-se Esqueceu a senha?
E-mail
Senha
Revista Bicicleta 2012 © Todos os Direitos Reservados