REVISTA BICICLETA - Pedalando e aprendendo: história de pai e filha
Baixe Gratuitamente a Edição Digital de Janeiro / Fevereiro 2017 da Revista Bicicleta!
Pneus Kenda

O Portal
da Bicicleta

Desafio dos Rochas
Revista Bicicleta - Edição 70

Assine

Revista Física
Revista Virtual



+bicicleta - Eu Pedalo

Pedalando e aprendendo: história de pai e filha

As histórias cotidianas envolvendo pais e filhos geram muitas reflexões, as quais nos levam, invariavelmente, à constituição imaginária de uma relação inimitável. Pai e filho aprendendo juntos a viver, ensinando mutuamente e compartilhando de um tempo único e delicado. A seguir, conheça a história de amor de um pai, ciclista de Curitiba-PR, consciente e apaixonado por tudo o que a bicicleta traz consigo, sobre a relação com sua filha, jovem de 15 anos, cursando o primeiro ano do ensino médio, uma verdadeira ciclista cidadã em formação. Uma história de cuidado, família e bicicletas.

Revista Bicicleta por Sérgio Alexandre Szmidziuk
39.087 visualizações
03/03/2014
Pedalando e aprendendo: história de pai e filha
Foto: Sérgio Alexandre Szmidziuk

sabido que a adolescência é um período da vida em que algumas pessoas querem estar sozinhas com seus dramas, ou quando muito, junto com seus iguais. Via de regra os adolescentes querem distância do mundo adulto. E quem de nós já não passou por isto?

Penso que a adolescência seja um período marcado por certa rebeldia, pela crítica ferina a professores, pais e até colegas. Em alguns casos, extremamente saudável, em outros, nem tanto. É a fase das insatisfações. Sendo assim, realizar alguns programas em comum, entre pais e filhos, nesses tempos, exige predisposição de ambos. Em nosso caso, optamos pelo ciclismo.

Cuido de minha filha, Jéssica, sozinho desde que ela tinha um ano de idade, e não preciso dizer que nos dias de hoje seja bastante difícil ser pai e mãe ao mesmo tempo. Tem sido “uma barra”, mas confio que ela esteja bem encaminhada, pois hoje, aos 15 anos, sinto que minha filha é uma pessoa do bem.

Acho que é função dos pais ensinar bons princípios aos filhos, isto não é função da escola. Coisas como ser honesto, ter caráter, entre outras. No caso específico da bicicleta, tento passar para minha filha as responsabilidades e os benefícios do ciclismo, seja para o lazer, saúde, transporte ou simplesmente poder sentir o vento em nossos rostos e presenciar alguns pores-do- sol, essas coisas que fazem bem para o corpo e a alma.

Dizia a ela, por várias vezes, que se trata de um desporto, de uma atividade saudável, relaxante e que ajuda a queimar muitas calorias. As pessoas que andam de bicicleta fazem menos visitas médicas, são mais resistentes a patologias do foro emocional, como as depressões e o estresse. Disse, também, que pedalar é um dos melhores antidepressivos para este estado emocional, além de reduzir o colesterol e em 50% o risco de infarto.

Peço sempre que não esqueça do filtro solar, do capacete, das luvas e lanternas refletoras, todos imprescindíveis.

Aos 35 anos tive um problema cardíaco que, se não passasse por uma intervenção para trocar uma válvula, talvez tivesse apenas mais seis meses de vida. O cardiologista me informou que eu teria grande chance de sucesso na cirurgia pois eu era um desportista e não fumante, e acabei sendo um dos primeiros pacientes a fazer este transplante de válvula humana no país.

Hoje, aos 52 anos, pedalo diariamente na companhia de minha melhor parceira, minha filha, e busco repassar a ela os benefícios deste esporte. Salvou minha vida, depois da cirurgia do coração, e minha paixão por bicicleta me manteve vivo.

Adotei, há muitos anos, a bicicleta como meu meio de transporte e lazer. Suas rodas já são quase as minhas pernas, e desde que minha filha nasceu tem sido minha companheira nas jornadas de pedal. 

Primeiro, ela ia na cadeirinha, com as perninhas balançando. Mais adiante, deu as primeiras pedaladas na “tico-tico”. Incentivei, com apreensão, quando fez as primeiras incursões sem as rodinhas laterais. 

E, à medida que Jéssica crescia, evoluía também seu veículo. Hoje, ambos conversamos olhando nos olhos um do outro, sem que ninguém precise olhar para cima ou para baixo. Os aros da bike também estão igualados. 

Mesmo que às vezes relute em aceitar que ela cresceu e que em certos assuntos já sabe mais que eu, continuo agindo como antes, na esperança de que a minha condição de protetor dure para sempre. 

E ela, sábia que é, se faz de desprotegida para estar ao meu lado. Dei-me conta, então, que na verdade, é ela que está agora me protegendo.

Curtiu esse post?

Quer receber mais conteúdo sobre bicicleta e ciclismo em sua casa? Então clique aqui conheça nossas ofertas de assinatura.

Comentários Facebook
Comentários
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Para postar seu comentário faça seu login abaixo.

E-mail
Senha

 

Cadastre-se Aqui | Esqueceu a senha?

Edições On-lineCadastre-se Esqueceu a senha?
E-mail
Senha
Vídeos

 

 

Para fechar o banner, clique aqui ou tecle Esc.

Revista Bicicleta 2012 © Todos os Direitos Reservados