REVISTA BICICLETA - Quinze mulheres e um destino - Circuito Lagamar
Baixe Gratuitamente a Edição Digital de Maio - Junho 2017 da Revista Bicicleta!
Pneus Kenda

O Portal
da Bicicleta

SHIMANO
Revista Bicicleta - Edição 76

Leia

Revista
Bicicleta



+bicicleta - Cicloturismo

Quinze mulheres e um destino - Circuito Lagamar

Em outubro de 2015, através de um artigo publicado na Revista Bicicleta, as amigas Alexandra Domingues e Mônica Trancoso conheceram o Circuito Lagamar, que seria lançado em novembro. Com os comentários favoráveis de ciclistas que percorreram o circuito logo após seu lançamento, seus vários atrativos, diversidade de terreno, natureza exuberante e relativa facilidade, as amigas convidaram outras ciclistas do grupo Pedaletes do Litoral, menos experientes em cicloviagens, para juntas percorrerem o Lagamar. E às quatro horas do dia 26 de maio, começou esta aventura marcante na vida de cada uma das Pedaletes, que percorreriam a partir dali 180 km em quatro dias!

Revista Bicicleta por Josane Carreira
3.146 visualizações
10/07/2017
Quinze mulheres e um destino - Circuito Lagamar
Foto: Josane Carreira

OFERIMENTO

 

A data estava definida: o feriado de Corpus Christi. O convite foi lançado, com a possibilidade de montar um grupo de até 15 ciclistas, que rapidamente foi fechado. Junto com a Alexandra e a Mônica, planejamos e organizamos todos os detalhes, desde hospedagens e transportes até a orientação às menos experientes quanto ao tipo de bicicleta, bagageiro, ferramentas, comida, roupas e tudo o que se deve e não deve levar em uma cicloviagem. Em contato frequente com o William Mendes de Souza, biólogo, gestor ambiental, responsável pela implantação do Circuito Lagamar, falamos da nossa ideia de levar esse grupo de mulheres para pedalar lá e ele prontamente nos assessorou.

Confeccionamos placas de identificação com o apelido de cada ciclista, para deixar a viagem com a “cara” das Pedaletes, além de uma camiseta do evento. Elaboramos um passaporte para colher os carimbos nas cidades em que passaríamos. E depois de reuniões, palestras e até curso de mecânica básica, era só controlar a ansiedade até o dia do início da viagem. 

O grupo foi formado por mulheres entre 37 e 56 anos, das mais variadas profissões (médica, engenheira, professora, designer, advogada, artesã, consultora de marketing, técnica de informatização e profissional da área administrativa), unidas pela mesma paixão: a bicicleta! Das 15 Pedaletes (Adriana, Sandra, Alice, Solange, Vanusa, Rachel, Walkíria, Fabiana, Rita, Sonia, Andréa, Bete, Mônica, Alexandra e Josane), somente seis já haviam realizado um cicloturismo.

A experiência foi incrível. Já conhecíamos os trechos e pequenas dificuldades, tanto do circuito como de cada uma das ciclistas. Mônica, Alexandra e eu fomos as guias. A Mônica seguia sempre à frente, seguindo a planilha. Eu, sempre no meio, juntando os grupos, ora lá na frente, ora lá no fundo, e a Alê fechava o grupo, para que ninguém ficasse para trás. Contamos também com as pedaletes Fabiana, que ajudou a fechar o grupo, e Vanusa e Adriana, que ficavam indo e vindo quando o grupo se dispersava, o que é comum em grupos com muitas pessoas de diferentes níveis de condicionamento. Dessa forma, superamos as diferenças de desempenho, por motivos físicos e técnicos. Já as diferenças comportamentais... Essas ficaram longe. A alegria, a felicidade de cada uma, os desafios ultrapassados coletivamente e a descoberta do novo a cada pedalada uniu a todas, transformando cada dia e cada trecho numa aventura prazerosa e esperada por cada uma. Foi gratificante ver a união do grupo, a emoção, o choro final pela superação dos limites individuais. A bicicleta é capaz de toda essa transformação e integração, e é por isso que ela cativa, instiga e se solidifica numa imensa e satisfatória sensação de liberdade e prazer pela vida.

O roteiro

O Circuito Lagamar é lindo. Possui uma paisagem variada, passando por lugares onde se observa a natureza da Mata Atlântica e também pela praia. A sensação de liberdade de pedalar na areia da praia é maravilhosa e deliciosa. O roteiro passa por cidades históricas e a bicicleta nos proporciona uma maior integração com a população local. 

A navegação do roteiro é muito fácil. Obtivemos as cartas de navegação com o Willian, e o caminho tem placas sinalizadoras nos pontos de bifurcação. Há também um Guia do Circuito com todas as informações necessárias para planejar a cicloviagem. Uma dica é providenciar as reservas dos hotéis com antecedência, pois na alta temporada há muita procura de hospedagem em Cananéia e Ilha Comprida, por ser uma região praiana. Pode-se dizer que o circuito é voltado para iniciantes. O trajeto não exige grande esforço para ser percorrido. 

Nosso primeiro percurso, de Iguape a Pariquera-Açú, foi de 46 km por estrada de terra, avistando búfalos, corujas, urubus e imensa vegetação. 

No segundo dia, partimos para Jacupiranga, iniciando o trajeto em asfalto. Lá chegando, fomos recepcionadas pelo Renato, do grupo MTB Rides Jacupiranga, parceiro do Circuito Lagamar. Muito solícito, ele nos levou até a Igreja Matriz Nossa Senhora da Conceição, datada de 1888. Renato nos acompanhou pela bela estrada de Canha e nos levou para conhecer a fábrica de laticínio Kinatural, no sítio São Tarcísio. O simpático gerente, Sr. José Tarcísio, nos encaminhou até o refeitório para um breve relato do trabalho de educação ambiental que realiza para os alunos das escolas da região e nos ofereceu diversos iogurtes para degustação. José Tarcísio mostrou tipos de embalagens diferentes que causam grande impacto no custo final do produto, além de estimular a fabricação de embalagens recicláveis.

Seguimos viagem e ao chegar em Cananéia, Renato nos levou para conhecer a Marina Utamaru, cujo dono é um atleta ciclista. Lá almoçamos desfrutando do belo visual que o lugar proporciona, e seguimos pela balsa até chegar no centro de Cananéia. Depois de 59 km, chegamos no Hotel Coqueiros, e o dono, entusiasta do cicloturismo, prontamente nos recebeu com uma grande acolhida.

Pensando nas ciclistas novatas, optamos por um terceiro dia livre, para descanso. O destino deste lazer foi a Ilha do Cardoso, um paraíso exuberante da natureza. Dois barcos nos conduziram até o local. Avistamos golfinhos lindos brincando em torno de nós. Visitamos o Parque Ecológico da Ilha do Cardoso, onde vimos pássaros, caranguejos e espécies de plantas características do local, além de um museu que lá se encontra.

No quarto e último dia, a previsão era de 71 km de pedal. Partimos de Cananéia bem cedinho. Atravessamos a balsa para Ilha Comprida e logo nos primeiros quilômetros nos deparamos com o Sambaqui Nóbrega. Sambaqui é definido como um monte de moluscos de origem marinha, terrestre ou de água salobra, esqueletos de seres pré-históricos, ossos humanos, conchas e utensílios feitos de pedra e ossos. É resultado de ações humanas, ou seja, são montes artificiais, com dimensões e formas variadas. Saindo dali tivemos o primeiro contratempo da viagem: a corrente de uma bicicleta quebrou. Como estávamos prevenidas, todas possuíam seu Power Link. A Alexandra realizou o conserto e comemoramos muito o feito. Assim, partimos novamente para o nosso destino: a praia de Ilha Comprida.

Ao chegar na extensa praia a sensação de liberdade, de paz e de satisfação fez com que todas se reportassem à infância. Foi incrível a alegria radiante de todas, até chegarmos em Pedrinhas, uma vila caiçara. Saindo de Pedrinhas, seguimos pelo asfalto à beira-mar até o centro de Ilha Comprida. Já era fim de tarde e fomos agraciadas por um belo pôr-do-sol, numa paisagem belíssima que se mostrava ao chegarmos na ponte que liga Ilha Comprida a Iguape.

Finalizamos oficialmente o pedal na Igreja Matriz. Festejamos com alegria a superação. Para Mônica, Alexandra e eu, ficou o sentimento de dever cumprido, de satisfação pessoal em ver quantas sensações maravilhosas despertamos nesses quatro dias. Ali, estávamos entre amigas, de coração aberto, todas apaixonadas pela bicicleta e por tudo de mágico que ela pode nos proporcionar.

O Grupo

Pedaletes do Litoral é um grupo coordenado pela ciclista Alexandra Domingues, embaixadora Specialized na baixada santista, que conta atualmente com mais de 100 mulheres cadastradas, residentes em Santos, São Vicente e Guarujá. Elas pedalam em outros grupos da região, no entanto, se juntam sempre que possível em passeios comemorativos, como o Dia Internacional da Mulher e o Pedal Outubro Rosa.

 

OFERIMENTO

 

Curtiu esse post?

Quer receber mais conteúdo sobre bicicleta e ciclismo em sua casa? Então clique aqui conheça nossas ofertas de assinatura.

Comentários Facebook
Comentários
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Para postar seu comentário faça seu login abaixo.

E-mail
Senha

 

Cadastre-se Aqui | Esqueceu a senha?

Edições On-lineCadastre-se Esqueceu a senha?
E-mail
Senha
Revista Bicicleta 2012 © Todos os Direitos Reservados