REVISTA BICICLETA - Segredos do doping mecânico: como funciona, quanto custa e quem usa o motor
Baixe Gratuitamente a Edição Digital de Maio - Junho 2017 da Revista Bicicleta!
Pneus Kenda

O Portal
da Bicicleta

SHIMANO
Revista Bicicleta - Edição 73

Leia

Revista
Bicicleta



+bicicleta - Entenda Melhor

Segredos do doping mecânico: como funciona, quanto custa e quem usa o motor

Por Revista Bicicleta
125.240 visualizações
02/02/2016
Segredos do doping mecânico: como funciona, quanto custa e quem usa o motor
Foto: Vivax Assist

A triste notícia do final de semana, de que a belga Femke va den Driessche foi pega no chamado doping mecânico ou doping tecnológico, abalou o mundo do ciclismo e tornou realidade um rumor que rondava as competições ciclísticas há algum tempo.

Mas, como funciona este doping? Quem está envolvido com a venda destes produtos? Quanto custa? La Gazzetta dello Sport, jornal italiano responsável pelo Giro d'Italia, levantou algumas dessas respostas. Segue uma tradução resumida do conteúdo.

"Um novo doping já velho. Na Copa do Mundo de Cyclocross, na Bélgica, Femke Van den Driessche, belga de 19 anos, campeã europeia na modalidade, foi pega com uma bicicleta com motor. O primeiro caso de "bicicleta dopada" da história. 

Dois Sistemas

O motor que os inspetores da UCI detectaram na bicicleta de Femke estava no tubo do selim. Material velho, artesanal. “O doping dos pobres”. Mas existe uma nova onda, com tecnologia muito mais avançada e 10 vezes mais cara, com o motor na roda traseira. Custa 200 mil euros e o prazo de entrega é de seis meses.

No sistema mais antigo e barato, a energia do motor move o movimento central através de uma engrenagem cônica, de plástico, para torna-lo silencioso. O novo sistema, mais moderno, utiliza eletromagnetismo, com a assistência direto na roda. A energia gerada por este tipo de motor é menor, cerca de 20 a 60 watts, mas é o suficiente para transformar um ciclista mediano em um fenômeno. Para comparação, os grandes campeões no limiar do pedalar alcançam cerca de 410 a 420 watts. “É um sistema tão perfeito que estou certo que nem todos os pilotos estão cientes de que o utilizam. Às vezes, eles só pensam que tiveram um bom dia”, diz a fonte da matéria do jornal, que obviamente não foi revelada.

Seis Anos

Fala-se sobre motores escondidos nas bicicletas de estrada há anos. O alerta mesmo surgiu em 6 de abril de 2010, quando na Flandres, Fabian Cancellara voa para alcançar Tom Boonen. Uma semana mais tarde, a cena se repete na Roubaix. Na Vuelta 2014, Hesjedal cai e sua bicicleta continua tracionada e não quer parar. Veja o vídeo deste momento de Hesjedal:

Mesmo as constantes trocas de roda de Contador são motivo de controvérsia. A fonte entrevista pelo jornal finaliza: “há algum tempo expliquei algumas coisas para a UCI que acho que são suficientes para estudar as façanhas de alguns ciclistas e detectar se estão usando auxílio de motor. Uma subida a 470 watts ninguém consegue fazer”. Neste final de semana, o motor foi oficialmente inscrito no ciclismo”.

Curtiu esse post?

Quer receber mais conteúdo sobre bicicleta e ciclismo em sua casa? Então clique aqui conheça nossas ofertas de assinatura.

Comentários Facebook
Comentários
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Para postar seu comentário faça seu login abaixo.

E-mail
Senha

 

Cadastre-se Aqui | Esqueceu a senha?

Edições On-lineCadastre-se Esqueceu a senha?
E-mail
Senha
Vídeos

 

 

Para fechar o banner, clique aqui ou tecle Esc.

Revista Bicicleta 2012 © Todos os Direitos Reservados