REVISTA BICICLETA - Tecnologia de engates Shimano Hyperglide
MPRO
Capacetes Giro

O Portal
da Bicicleta

SHIMANO
Revista Bicicleta - Edição 86

Leia

Revista
Bicicleta



+bicicleta - Oficina

Tecnologia de engates Shimano Hyperglide

Por Gustavo Figueiredo
8.132 visualizações
18/01/2018
Tecnologia de engates Shimano Hyperglide
Foto: © SHIMANO divulgação

A corrente, cassete e coroas são alguns dos componentes mais exigidos de uma bicicleta. Afinal, transmitir a potência do ciclista em diversos ângulos, proporcionar trocas de marcha precisas e ainda trabalhar frequentemente sob condições pouco ideais são apenas algumas das funções destes componentes.

Hyperglide

Para desempenhar todas estas funções com mais precisão e velocidade, a Shimano desenvolveu em meados da década de 1980 a tecnologia Hyperglide, que aposta em um desenho de chanfros e rampas nos pinhões do cassete, para obter o máximo em desempenho em combinação com sua corrente específica.

Antes deste sistema, os cassetes, correntes e coroas utilizavam um desenho com dentes iguais chamado Uniglide. Nele, a troca de marcha era realizada empurrando a corrente de lado até ela desengatar-se completamente do pinhão, caindo então no próximo.

Nos pinhões Uniglide e Hyperglide com a tecnologia Hyperglide, a Shimano desenvolveu um sistema que engata três pontos no próximo pinhão antes da corrente desengatar-se do pinhão anterior, criando uma troca muito mais rápida e suave, já que a corrente nunca está completamente desengatada.

Para que esta troca precisa aconteça, o desenho de cada pinhão leva em conta os pinhões que estão ao seu lado. Em um grupo de 7 velocidades, por exemplo, a Shimano possui três pinhões de 15 dentes diferentes: um que funciona entre pinhões de 13 e 17 dentes, outro projetado para trabalhar entre pinhões de 14 e 17 dentes e um terceiro feito para funcionar entre pinhões de 14 e 16 dentes. E isso vale para todos os pinhões de todos os cassetes da marca japonesa.

A tecnologia Hyperglide foi desenvolvida para uma troca de marchas suave, precisa e fácil, quando se utiliza todos os componentes indicados e compatíveis. Ao utilizar componentes que não sejam indicados ou 100% compatíveis, mesmo que a troca de marchas funcione, você perderá alguns dos benefícios que a tecnologia oferece.

Ressaltos e recortes na corrente garantem o desempenho

Outro detalhe interessante é que, por conta da precisão, pinhões Hyperglide tem posição fixa de montagem no corpo da roda livre, o que explica o desenho de chanfros no corpo da roda livre encontrado no sistema. Nos Uniglide, por exemplo, os pinhões podem ser montados em qualquer posição, sendo possível inclusive inverter o componente para aumentar a vida útil.

Correntes

Como era de se esperar, as correntes também seguem o mesmo padrão de construção, contando com inúmeros recortes e rebaixos nas placas que formam os elos para proporcionar mais desempenho na troca. Por isso, não é de se estranhar que assim como no restante do grupo, a corrente também deve estar em dia para obter o funcionamento ideal.

Assista ao vídeo explicativo sobre correntes e trocas

Shimano Chain Technology from Ride Shimano on Vimeo.

 

Conclusão

O sistema de trocas de marcha de uma bicicleta é um mecanismo aparentemente simples. Em pouco tempo, qualquer um que preste atenção em um par de câmbios funcionando pode entender o princípio básico por trás das trocas.

Porém, observando tecnologias como o Hyperglide, podemos perceber que obter a troca de marcha perfeita é um trabalho que envolve muita engenharia e precisão. Por isso, seja qual for o caso, certifique-se de utilizar sempre componentes que sejam 100% compatíveis entre si.

Comentários Facebook
Comentários
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Para postar seu comentário faça seu login abaixo.

E-mail
Senha

 

Cadastre-se Aqui | Esqueceu a senha?

Edições On-lineCadastre-se Esqueceu a senha?
E-mail
Senha
Revista Bicicleta 2012 © Todos os Direitos Reservados