REVISTA BICICLETA - Atual 4º melhor no ranking mundial, Avancini confirma participação na etapa de Ouro Preto
MPRO
Lube Cera Premium

O Portal
da Bicicleta

SHIMANO
Revista Bicicleta - Edição 83

Leia

Revista
Bicicleta



Notícias

Atual 4º melhor no ranking mundial, Avancini confirma participação na etapa de Ouro Preto

Atleta ficou em 6º lugar na última etapa de Copa do Mundo. CIMTB Levorin acontece entre os dias 8 e 10 de junho.

Por MB Comunicação Criativa
5.286 visualizações

Atual 4º melhor no ranking mundial, Avancini confirma participação na etapa de Ouro Preto
Foto: © Thiago Lemos

Atualmente em 4º lugar no ranking mundial, o atleta brasileiro Henrique Avancini (Cannondale Factory Racing) está confirmado para a etapa de Ouro Preto na CIMTB Levorin, entre os dias 8 e 10 de junho. As inscrições estão abertas e a prova acontece no Campus Cruzeiro, da Ufop. Avancini conquistou mais um resultado histórico na etapa de Copa do Mundo em Nové Mesto na Morave, na República Tcheca, neste domingo (27). O atleta também conquistou a 14º colocação na prova de Short Track da competição. Com resultados como este, Henrique Avancini é referência no mountain bike mundial.

“Uma coisa que me alegra bastante é saber que atletas estrangeiros, de países com históricos na modalidade, saberem e terem um nome na cabeça de um atleta brasileiro. Isso não é algo fácil de construir. Quando comecei a competir, a imagem que as pessoas tinham do atleta brasileiro era uma imagem não tão positiva e desconstruir isso e construir uma imagem de referência, ainda é um processo que está acontecendo. Acredito que a Raiza vem fazendo isso também na categoria feminina, acho que ela merece muito o que ela vem conquistando e tanto eu quanto ela, eu diria, que somos frutos de um esforço individual”, comentou o atleta.

De acordo com Avancini, para o brasileiro que almeja crescer no mtb, é necessário, além de pedalar, ir atrás de oportunidades. “Falando por mim, eu arregacei minhas mangas lá atrás, fui atrás das oportunidades, dos profissionais para trabalhar e realizar um bom trabalho fora das pistas, para que isso pudesse abrir portas. Infelizmente a gente ainda não consegue transformar isso no coletivo. Isso é o que eu mais gostaria de fazer, mas ainda é uma mentalidade que a gente não conseguiu quebrar no Brasil. Os atletas são mais preocupados em vencer uns aos outros do que superar uns aos outros e alcançar um nível mais alto. Mas acho que estamos caminhando para quebrar essa maneira de pensar e agir do atleta brasileiro”, expicou Avancini.

Henrique que já confirmou a presença na CIMTB Levorin, disse que a competição foi o principal campeonato da carreira dele. “Para falar o peso da CIMTB basta pensar que foi o principal campeonato da minha carreira e de todos os atletas brasileiros hoje. Estou na minha 19º temporada de Copa Internacional, desde a antiga Copa Amentur. Acho que é um evento que ensinou a muita gente, não só aos atletas, mas ao mercado e a mídia a desenvolver um esporte profissional. Vai muito além de números e quantidade de participantes e eu acredito que ainda é a base do nosso calendário. A CIMTB é o que sustenta a temporada dos atletas, é o que sustenta as notícias dos canais específicos, é o que sustenta a comunicação dos produtos do mercado de bicicleta”, disse.

© Thiago Lemos

Para Avancini, o papel da CIMTB Levorin vai além da competição em si, pois dá oportunidade de aspirantes ao mtb profissional conviverem com competidores da Elite.

“É muito mais profundo do que o lado esportivo em si. Eu acho que os formatos que são mantidos, principalmente na prova de XCO, ajudam muito aos atletas mais novos ou mais velhos a terem contato, assistirem, a verem mais detalhes dos atletas profissionais. Esses são detalhes que a gente acaba não tendo nas provas de Endurance, nas de maratonas e longa duração. Já nesse formato da CIMTB, que também tem uma vivência com mais dias, os amadores podem ver os profissionais treinando e podem ver os atletas antes da competição. Isso quebra muitas barreiras, principalmente para os atletas mais jovens. Começa a ser uma coisa mais normal, veem atletas que são referências para eles, isso ajuda muito ao competidor jovem construir uma alto confiança para competir melhor, para eles se sentirem mais parte daquilo, e não só um admirador do esporte. A CIMTB tem esse papel importantíssimo, criar vínculo com os atletas no ambiente competitivo. É uma coisa importantíssima para todos nós e espero que seja mantida por muito tempo”, finalizou.

Henrique Avancini conquistou 160 pontos para o ranking mundial ao ganhar a etapa de Araxá, pontos importantes para que ele atingisse o atual 4º lugar na UCI atualmente. Abaixo você confere resultados de outros brasileiros na última etapa da Copa do Mundo.

Masculino

9. AVANCINI Henrique - 1:22:27 (Cannondale Factory Racing)
50. DONIZETE VALERIANO Rubens - 1:26:49 (Sense Factory Racing)
71. GOTARDELO MULLER Guilherme - 1:30:15 (Sense Factory Racing) 
116. COCUZZI Luiz Henrique (Equipe Lar / Scott)

Feminino

41. GOULAO HENRIQUE Raiza - 1:30:38 (Primaflor-Mondraker Rotor Ajram Capital Team)

Ciclo Olímpico

© Thiago Lemos

Com a contagem do Ciclo Olímpico para Tokyo 2020 aberta,Henrique Avancini relembrou de como evoluiu desde o último processo Olímpico. “O Ciclo Olímpico representa para o atleta uma fase considerável da carreira. São quatro anos de preparação voltados para um objetivo, dentro desse objetivo final tem vários desafios que são muito maiores do que os próprios Jogos Olímpicos em si. O que eu passei nos Jogos Olímpicos, em todo processo, foram anos de muito crescimento: investi muita coisa, aprendi muito com as dificuldades que apareceram e que não estavam dentro do meu controle. Após os Jogos 2016, o que mudou principalmente foi a minha tranquilidade para lidar com os problemas que aparecem nos dias da vida de um atleta como por exemplo, não se sentir bem, de ter uma pequena lesão, de sofrer uma queda, de não fazer uma prova tão boa. Hoje eu só tenho mais calma e mais tranquilidade para lidar com os dias difíceis e para potencializar os dias que são bons, assim minha vida como um todo fica mais fluente”, disse.

Mais experiente, Henrique Avancini ressalta que apesar da abertura da contagem de pontos que começa no dia 28 de maio, desta vez será diferente. O atleta revelou que vai continuar fazendo o trabalho dele normalmente. “Sinceramente eu vejo os jogos olímpicos como algo extremamente desgastante, não por ter que competir dois anos bem, mas pela questão de muitas vezes você esbarrar no caráter político do esporte e a classificação não ser direta. Sinceramente, é algo que eu não me preocupo, vou simplesmente continuar fazendo meu trabalho. Quero terminar este Ciclo Olímpico andando no que eu conquistei em 2017, no que eu venho mantendo este ano que é estar em torno do top 5 do mundo e isso com certeza vai ser mais do que suficiente para garantir meu lugar nos Jogos Olímpicos de Tokyo e muito provavelmente para classificar mais um atleta no masculino, mesmo com o processo de redução de vagas", explicou.

Comentários Facebook
Comentários
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Para postar seu comentário faça seu login abaixo.

E-mail
Senha

 

Cadastre-se Aqui | Esqueceu a senha?

Edições On-lineCadastre-se Esqueceu a senha?
E-mail
Senha