REVISTA BICICLETA - Em Cuba, a bicicleta volta a ser opção
Baixe Gratuitamente a Edição Digital de Janeiro / Fevereiro 2017 da Revista Bicicleta!
Pneus Kenda

O Portal
da Bicicleta

Desafio dos Rochas
Revista Bicicleta - Edição 70

Assine

Revista Física
Revista Virtual



Notícias

Em Cuba, a bicicleta volta a ser opção

Projeto de bike pública que será desenvolvido a partir de 2017 na capital Havana busca recuperar o uso de modos mais sustentáveis de transporte pela população da ilha

Por Mobilize
1.562 visualizações

Em Cuba, a bicicleta volta a ser opção
Projeto busca recuperar uso da bicicleta em Cuba
Foto: Ansa

A capital de Cuba, Havana, busca recuperar o uso de bicicleta pela população da ilha, como medida para aliviar os problemas de mobilidade e de abastecimento de combustível daquele país.

O projeto de bicicletas públicas compartilhadas, que será desenvolvido de 2017 a 2020 em Havana, quer que a bicicleta volte a ser priorizada como modo de transporte mais limpo e acessível. Essa é uma das medidas que as autoridades vêm buscando para fazer uma reforma ampla nos sistemas de transporte da cidade, que tem mais de dois milhões de habitantes e um crescente fluxo de turistas.

A União de Cidades Capitais Ibero-Americanas (UCCI), associação internacional sem fins lucrativos, está apoiando o projeto de Cuba. Segundo a UCCI, o projeto tem como objetivo fazer com que cinco milhões de pessoas da região passem a usar mais não só bicicletas, mas o transporte público por ônibus.

O projeto de "bicicleta pública", que foi desenhado com base nos moldes do que vem sendo feito em países europeus, é também voltado ao turismo local. A ideia é oferecer um sistema de bicicletas que permita à pessoa ir com tranquilidade de um lado ao outro da cidade pedalando.

O transporte público é uma verdadeira dor de cabeça para as autoridades cubanas, não é de hoje, e por diversas vezes houve tentativas não bem-sucedidas de soluções, inclusive com programas para bicicletas, que atenuassem a situação. Durante o chamado "Período Especial", em meados dos anos de 1990, por exemplo, a ilha sofreu as consequências da dissolução da ex-União Soviética. Nessa época, centenas de milhares de bicicletas de fabricação russa foram levadas à ilha pelo governo russo, que comercializava os equipamentos por preços baixos e facilidades de pagamento. Mas as bicicletas russas já não agradavam aos cubanos e "encalharam".

Bicicleta perdeu espaço

Um estudo recente revelou que os habitantes de Havana, diferente do que foi no passado, preferem caminhar a pegar o transporte público ou pedalar: pouco mais de 57% da população anda a pé, enquanto 16% utilizam meios de transporte público e apenas 1,8% pedalam.

"Não tenho nada contra a bicicleta", diz o cubano Serafín Sánchez, de 65 anos, à reportagem da Ansa. "Mas confesso que já há uns quinze anos deixei de lado esse veículo", completou. "É verdade que com ela se pode economizar, se comparado ao ônibus, mas a bicicleta deixa a gente desalinhado, suado... É para gente mais jovem".

Há quem pense diferente. Jaime Pelayo, hoje com 76 anos, conta que sempre se moveu por Havana com sua "bici", muito antiga e da marca "Besa", até completar os 75, e por 30 anos consecutivos, diz ele. "Hoje, para mim, ficou mais complicado, mas ainda conservo minha 'relíquia', que uso para ir comprar o pão", revela.

Curtiu esse post?

Quer receber mais conteúdo sobre bicicleta e ciclismo em sua casa? Então clique aqui conheça nossas ofertas de assinatura.

Comentários Facebook
Comentários
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Para postar seu comentário faça seu login abaixo.

E-mail
Senha

 

Cadastre-se Aqui | Esqueceu a senha?

Edições On-lineCadastre-se Esqueceu a senha?
E-mail
Senha
Vídeos

 

 

Para fechar o banner, clique aqui ou tecle Esc.

Revista Bicicleta 2012 © Todos os Direitos Reservados