REVISTA BICICLETA - Em Curitiba, calçadão da XV de Novembro não tem onde parar bicicleta
MPRO
Lube Cera Premium

O Portal
da Bicicleta

SHIMANO
Revista Bicicleta - Edição 84

Leia

Revista
Bicicleta



Notícias

Em Curitiba, calçadão da XV de Novembro não tem onde parar bicicleta

Sem vagas exclusivas, ciclistas recorrem a floreiras, árvores e bancos para prender a bike na via que é cartão postal da cidade

Por Mobilize
7.209 visualizações

Em Curitiba, calçadão da XV de Novembro não tem onde parar bicicleta
Fábio faz entregas e usa floreiras da XV para deixar a bike
Foto: Felipe Raicoski/Gazeta do Povo

Os cerca de mil metros de extensão do calçadão da Rua XV de Novembro, um dos cartões postais de Curitiba, não possui nenhum local exclusivo para estacionamento de bicicletas. O fluxo de bikes na via é intenso, seja de quem circula a trabalho ou a lazer. Mesmo assim, todos que precisam deixar o veículo por um tempinho têm de improvisar. Com isso, floreiras, árvores e bancos acabam servindo para prender as bikes, evitando que sejam levadas.

O Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc) explica que a ausência de vagas para bicicletas é porque o calçadão não é uma via para o trânsito de bikes. O órgão da prefeitura alega que por isso não há mobiliário para bicicletas. E complementa que os locais para estacionar este tipo de veículo estão em pontos próximos ao calçadão, como a Praça Osório, a Biblioteca Pública ou ao longo da Avenida Marechal Deodoro - respectivamente no início, ao fundo e paralelo ao passeio.

O entregador Fábio Tomé afirma que se houvesse local para estacionar a bicicleta facilitaria a vida de quem transita de bicicleta, principalmente a de quem trabalha como veículo, pela grande quantidade de escritórios, empresas e consultórios no calçadão. Sem essa opção, Tomé tem de recorrer às floreiras para prender a bike, o que o deixa preocupado. “O certo seria prender a bicicleta pelo quadro e pela roda, mas não tem como. Quando paro e tenho que ficar muito tempo nos lugares, fico apreensivo com a bike, porque a gente não sabe como são presas essas estruturas, que podem ser arrancadas”, argumenta.

Entregador de uma rede de lanchonetes com diversas unidades no Centro, Daimon Santos Celestino precisa recorrer à ajuda dos próprios comerciantes e outros colegas que trabalham da mesma forma para não ter a bicicleta roubada quando faz entregas na XV. “Eu paro e peço para quem está ali dar uma olhadinha. Só que tem que ser rápido, senão acabam levando mesmo”, revela.

Daimon, aliás, por pouco não teve a magrela roubada em uma das entregas no calçadão. “Um dia parei para entregar umas coisas na loja aqui do calçadão e, quando voltei, vi que o cara ia montar na bicicleta. Mas corri e consegui impedir”, aponta.

Já a atendente Alice Medeiros vai ao Centro de bicicleta a passeio e que, por ser um dos principais pontos turísticos de Curitiba, o calçadão da XV deveria ter locais próprios para as bicicletas. “você chega aqui e precisa largar a bicicleta, e faz o que? Não tem um lugar para deixar e sair passear a pé”, diz.

Onde pode

Segundo o Ippuc, paraciclos e bicicletários são implantados em locais de grande fluxo de pessoas, como terminais, parques e prédios de atendimento público, além de vias em que é permitida a circulação de bicicletas. O órgão afirma que demandas específicas sobre o assunto são avaliadas e instalações são feitas sempre próximas a equipamentos públicos. Dentro de áreas privadas é permitida a instalação, sempre respeitando a área de recuo do imóvel.

Comentários Facebook
Comentários
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Para postar seu comentário faça seu login abaixo.

E-mail
Senha

 

Cadastre-se Aqui | Esqueceu a senha?

Edições On-lineCadastre-se Esqueceu a senha?
E-mail
Senha
Revista Bicicleta 2012 © Todos os Direitos Reservados